Sim, sou uma boba.

Tola fui eu, que te superestimei
No menor gesto te adorei

Ingênua fui eu, que em ti não vi perigo
Na hora mais precisa fostes meu desabrigo

Insana fui eu ao mergulhar fundo no teu olhar
Imaginando que do naufrago tu irias me salvar

“Tola”: dizem que sou por eu te amar
Por mais de mil lágrimas derramar

Se “tola” sou, mais o é quem a ti não ama
Prefiro a tolice em amar, do que a amargura em odiar

Se para mim é a indiferença o que sempre tens
Para ti eu sempre hei de querer um grande bem

Thais Samara de Castro Bezerra

Anúncios