Category: PAIXÃO


AMOR DE ÂNCORA

101_5434

Mares a explorar…
Ventos furiosos!
Ondas bravias!
Náufragos!
Um porto-seguro…
Meu amor: tua âncora.
E permaneceremos profundos…

Thais Samara de Castro Bezerra

Anúncios

AOS QUE AMAM E DESAMAM

_MG_0691

Ao que sabe amar, o mar

Ao que não sabe, apenas o sal

Ao que sabe amar, o céu

Ao que não sabe, apenas o chão

Ao que sabe amar, todas as cores

Ao que não sabe, qualquer cor ou cor nenhuma

Ao que sabe amar, toda uma espera válida

Ao que não sabe, apenas partidas

Ao que sabe amar, todas as fantasias

Ao que não sabe, o castigo de ser quem já é

Thais Samara de Castro Bezerra

MEU ETERNO SOL POENTE

"São como sóis teus nos meus olhos guiando". Samara Castro

Como é imperiosa a tua chegada
Sublime como o pôr-do-sol
Quente como o arrebol
Que surge por entre nuvens enamoradas

São como sóis teus olhos em meus olhos guiando
Teus cílios disparam raios
Raios nos meus olhos inebriados
E o meneio de tuas pálpebras bombeia todo teu encanto

Tu estendes teus raios pela minha pele
Penetra-os em meu sangue como alimento fosse
Crepúsculo de mil sabores!
Sol poente que tanto o meu coração aquece

Essa tua luz que os meus olhos cultuam
Em mim, desperta o desejo de tocar o horizonte
De escalar o mais alto dos montes
Amo teus olhos de sóis que estes raios fulguram

Em tuas cores encontro o fogo sagrado
Porque não queima, mas aquece
Porque não arde, mas embevece
Assim encontro repouso em teu ocaso

Tu humilhas o verdadeiro sol poente
Porque és tu todo feito de sentimentos
Que em mim produz encantamentos
Estes refletidos repentinamente

Amo o pôr-do-sol que tu és
Porque dessa terra outra estrela não tenho
Porque essa tua luz não contenho
Amo porque os sonhos tu me revolves

Quando dormes, o sol se põe sobre tua face rosada
Juntos selamos o silêncio
Ternos e serenos
Alcançamos a paz tão sonhada

Outra visão que não seja a tua, meus olhos mancham
Mas os lavo com lágrimas de saudades tuas
E os seco com teus raios de ternura
Longe de mim, meu amor e meu coração te alcançam

Não te despeças de mim meu amado sol poente
Para onde olha a flor na ausência do astro eterno?
O prazer jamais será repleto!
Estarei sempre em busca do teu sol quente

Que teus olhos de sóis nunca errem o alvo dos olhos meus
Porque eu feneceria sem a visão do teu carmim
E que se assim acontecer, peço a quem o afastou de mim:
Que me conceda o retorno dos sóis dos olhos teus

Serás sempre o meu único radioso sol poente
O ocaso que meu coração aquecerá
O arrebol que meu caminho iluminará
Ainda que dos meus olhos teus olhos estiverem ausentes

Thais Samara de Castro Bezerra

DOCE ANORMALIDADE

"O amor é vermelho". Clarice Lispector

Te vejo. Te toco. Te escuto e te sinto.
Tudo é tão intenso quanto a verdade!
Quisera que fosse a minha realidade…
Pois ainda és um sonho lindo…
És o meu primeiro e último pensamento.
Ao anoitecer, embalas meu sono e trasladas para meu sonho.
Ao amanhecer, abres meus olhos e tornas meu dia em encantamento.
Um belo café da manhã me aguarda.
É inútil! Nada sacia meu maior desejo…
Sem você a forme naufraga.
Quisera mesmo alimentar-me dos teus beijos.
Minha rotina começa.
Estudos. Trabalhos. Leituras. Dança…
No entanto, é a tua ausência que mais me cansa.
Hora me dás força. Hora me tiras toda ela.
Como quem quer competir com o sol, iluminas todo o meu dia.
E à noite, ah… pobres estrelas, porque são os teus raios de luz que me fincas.
Assim permaneces em meu sonho, onde o tempo eterno se torna.
Tão eterno que daria para contar as estrelas do céu e os grãos de areia do mar…
E ainda me perguntas se tudo isso é normal!
Meu bem, quem ama desconhece tal conceito…
Sugiro que tu escolhas as anormalidades do amor…

Ass: Thais Samara de Castro Bezerra
Obs: Texto escrito em 2010.